2019 | Portugal Sustentável

Portugal Sustentável 2019

Instituições

Dirigido às instituições que se notabilizem na apresentação de projetos no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Finalistas
» Associação Dignitude
» ASAS – Associação de Solidariedade Social de Santo Tirso
» AICD – Associação para a Inserção por Centros Digitais de Informação (CDI Portugal),
» AIIR – Associação de Apoio à Inclusão de Imigrantes e Refugiados,
» Associação Salvador
» Câmara Municipal de Torres Vedras
» Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão
» Centro Social Cultural e Recreativo do Lamegal
» Fundação do Gil
» Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade.

Vencedora: Fundação do Gil

A Fundação do Gil é uma IPSS com sede em Lisboa criada em 1999, devendo o seu nome à mascote da exposição universal EXPO98 que teve lugar em Lisboa nesse ano.

Foi pioneira no desenvolvimento de projetos de saúde pediátrica e reintegração social, tendo como missão promover o bem-estar clínico social e emocional de crianças em risco clínico e social, perspetivando a sua reintegração social na família com autonomia.

Através do seu segundo projeto, Cuidados Domiciliários Pediátricos, apresentado no contexto do Prémio Manuel António da Mota, a Fundação do Gil tem operado como uma plataforma fundamental para o acompanhamento da criança com doença crónica e/ou fragilidade clínica, e da sua família. Este projeto, para além da sua primitiva implantação na região de Lisboa, opera desde 2017 em dois hospitais do Porto (Hospital de São João e Centro Materno-Infantil do Norte), abrangendo 7 distritos e 33 concelhos, tendo, de então para cá, sido realizadas mais de 550 visitas domiciliárias a mais de 280 crianças, e suas famílias.

O objetivo do projeto é o bem-estar físico, psíquico e espiritual da criança, assim como o suporte necessário ao cuidador principal e restante família. Nesta intervenção está incluído o tratamento dos sintomas, descanso do cuidador e acompanhamento após a morte durante o processo de luto.

A doença crónica e incapacitante pode prolongar o período de internamento e levar à sobrecarga de recursos hospitalares e familiares. A continuidade da prestação de cuidados de saúde pediátricos no domicílio tem evitado internamentos desnecessários e previne, na origem, a degradação psicossocial do doente e da família.

Sem este apoio seria mais difícil melhorar o estado de saúde geral da criança, fomentar a capacitação social da família e permitir um melhor equilíbrio emocional de todo o agregado.